sábado, 10 de fevereiro de 2018

O caçador de pipas - Khaled Rosseini

Hoje eu lembrei desse blog, e vi que precisava urgentemente atualizar... E aí pensei: "Qual livro?"

Caçador de pipas veio na minha mente pq eu estou preparando terreno pra outro livro do mesmo autor que li recentemente, então vamos começar pelo mais famoso dele.

A edição que li foi essa, emprestada da irmã do meu segundo namoradinho da vida, hehehe êÊÊêÊêÊ nostalgia:




Mas antes de começar a falar sobre ele, vai o alerta:






Dado o aviso, sugiro que abra o livro devagar, com calma, e se conseguir, leia somente duas paginas por vez, pra não terminar precisando de terapia para lidar com problemas que você não pode resolver. Mesmo porque, você precisa de intervalos pra conseguir digerir o que leu.

Sinopse: Amir, um afegão há muito imigrado para os Estados Unidos, se vê obrigado a acertar as contas com o passado e retornar a seu país de origem. O ponto de partida do livro é a infância do protagonista, quando Cabul ainda não era a capital do país que foi invadido pela União Soviética, dominado pelos talibãs e subjugado pelos Estados Unidos.

Minhas considerações: Conta tooooda a infancia dele ao lado de um menino chamado Hassan, filho dos empregados, que apesar de ser como um irmão pra ele, é tratado como serviçal quando estão na frente de estranhos.
O livro fala de abuso infantil, trabalho escravo, venda de crianças, estupro, e perdão. Não vou mentir, se você tiver um mínimo de coração, vai sair de cada capitulo chorando muito.

Eu não sou de chorar, quem me conhece sabe. Mas lendo esse livro, e tendo a consciencia que não é totalmente ficção, não dá pra evitar, O autor é como o seu personagem: morador do Afeganistão e expulso de seu país pela guerra, então meio que a gente sabe que ele esta descrevendo algumas cenas reais, em determinados momentos. Sabemos a situação política nesses países e sabemos como a população sofre com a guerra, sobretudo as crianças.

Mas então por que estou recomendando a vocês? (Devem estar se perguntando)

Porque meus filhos, ou amigos que estão lendo, esse livro no fim das contas nos mostra que sempre podemos receber perdão, e consertar as coisas. Que nunca é tarde para estender a mão para quem você um dia abandonou.

Além disso, é sempre bom abrir os olhos para outras realidades que não as nossas, pra que gente como nós, classe media, sentados no sofá vendo Netflix, possamos agradecer por cada coisa que nos cerca, cada peça de roupa, cada familiar que está do nosso lado, dar graças por poder andar na rua sem correr o risco de pisar numa mina terrestre e perder um braço e uma perna.

Boa leitura!

Contos extraordinários - Edgar Allan Poe

Vocês irão encontrar inúmeras edições com as melhores histórias de Edgar Allan Poe.

Mas sugiro que comecem com alguma edição que contenha o conto "o gato negro". Um dos melhores contos dele, e com esse conto eu me apaixonei por esse louco!

Sobre o autor: ficou órfão muito cedo, então foi adotado por uma família que deu a ele uma ótima educação, mais tarde foi para a universidade e passou a viver com os rendimentos de sua escrita, publicando seus contos e poemas em periódicos. Como nem sempre havia lucro, foi morar com uma tia, casou - se com a prima de 13 anos que em seguida morreu de tuberculose. Aí a coisa desandou. Ele passou a beber e usar drogas, e a bebida o arrastou pro buraco. Foi encontrado semi consciente numa sarjeta, mas faleceu ao chegar no hospital. Triste não é? Mas deixou um legado intenso e rico, sou grata por ele ter existido e décadas depois eu poder ver o que ele pensou, e escreveu.

Eu já li tudo o que ele publicou e que o Google nos disponibilizou, e é muita coisa, realmente não poderia jamais falar sobre tudo (demorei anos para encontrar e ler tudo, alguns tive que ler mais de uma vez, pela complexidade do vocabulário, mas não se deixem intimidar , vale muito a pena). Então vou colocar aqui os contos que mais me impressionaram, e com uma rápida googlada, dá pra encontrar e ler:

O gato negro - pra mim, esse fala de remorso causado pela bebida, a famosa ressaca! O narrador se casa com uma mulher e com ela compartilha o amor pelos animais. Mas com o tempo e a bebida, se torna violento, chega em casa, e tortura o gato, depois o mata. Pra não contar o final, a culpa o atormenta, e ele acaba facilitando para que seja descoberto e preso.

O coração denunciador - o narrador ao que me pareceu, era cuidador de idosos, e o idoso que ele cuidava tinha catarata. Ele começou a adquirir aversão ao olho do senhor, e o mata. Mas não aguenta a culpa e grita em praça pública o crime, assumindo a autoria.

Berenice - o narrador apaixonado pela prima, tem uma atração irresistível pelos dentes dela, que no apogeu de sua doença, são a única parte de seu corpo que não perdeu o viço.

Os crimes da rua Morgue - detetive Dupont, precursor do Sherlock Holmes, investiga dois assassinatos nessa rua, e o desfecho é assustador!

A queda da casa de Usher - tem medo de ser enterrado vivo? Poe fez duas histórias sobre isso, essa é uma delas.

O caso do Sr. Valdemar- neste, acompanhamos uma espécie de hipnose com um moribundo, que mesmo após padecer, continua respondendo aos estímulos do cientista/médico. Esse conto é muito, muito foda! Um dos melhores, super bizarro!

O barril de amontillado - esse é um dos poucos que achei engraçado, cheguei a rir até! (Seria eu tão vingativa quanto ele?) O caso é que o narrador foi humilhado por um "amigo" em público,e resolveu se vingar, trancando o amigo dentro de sua própria vaidade cheia de salitre (e matando ele de pneumonia kkkk)

Annabel Lee - romanticamente gótico! Quase nos apaixonamos por Annabel, e queremos deitar todos os dias sobre sua tumba junto com ele!

Leonor - "Sou oriundo duma raça caracterizada pelo vigor da fantasia e pelo
ardor da paixão.
Os homens chamaram-me louco; mas ainda não está resolvido o
problema – se a loucura é ou não a suprema inteligência – se muito do que
é glorioso – se tudo o que é profundo – não tem a sua origem numa doença
do pensamento – em modalidades do espírito exaltadas a custa das
faculdades gerais. Aqueles que sonham de dia sabem muitas coisas que
escapam àqueles que somente de noite sonham. Nas suas vagas visões
obtêm relances de eternidade e, quando despertam, estremecem ao verem
que estiveram mesmo à beira do grande segredo"
Com essa introdução, meu amigo... Já pode parar de ler, matou a pau!
Recomendo fortemente todos eles!

terça-feira, 19 de maio de 2015

Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban - J.K. Rowling

JURO SOLENEMENTE QUE NÃO VOU FAZER NADA DE BOM...



De longe, o meu preferido de todos!!! Conhecemos um vira-tempo, que é capaz de fazer você voltar no tempo e consertar coisas, claro que respeitando as leis envolvidas como não aparecer na frente de seu eu passado, por exemplo! Esse é um dos meus itens preferidos no mundo bruxo, seguido da varinha e da capa da invisibilidade!

Neste livro também conhecemos a fundo o que de fato ocorreu no dia da morte dos pais de Harry, sabemos a verdade sobre seu padrinho Sirius Black, e conhecemos o personagem mais bonzinho de toda a saga: Remo Lupin, que a despeito de ser um lobisomem, me faz pensar nele sempre como um amigo e um pai substituto para o pobre Harry.


File:Prisoner of Azkaban - Sirius Black.gif

A frase que amo desse livro: Remo, meu velho amigo, você tomou sua poção esta noite? Remo, você sabe o homem que você é! É neste coração que você habita!!!"

Só de escrever já me arrepio e os olhos marejam, devo dizer que o ator que interpretou Sirius no filme o fez muito bem, e o dublador para a versão brasileira também está de parabéns! Maaas como nem tudo são flowers, o filme ficou devendo muito para o livro, pois corta informações importantes e acrescenta outras, nem sei porque, então recomendo fortemente ler o livro, depois ver o filme...



MALFEITO FEITO!


quarta-feira, 13 de maio de 2015

Se eu ficar - Gayle Forman

Resultado de imagem para se eu ficar


Esse eu li em PDF, uma amiga me passou via e-mail....



ALERTA DE SPOILER - ALERTA DE SPOILER - ALERTA DE SPOILER - ALERTA DE SPOILER - ALERTA DE SPOILER - ALERTA DE SPOILER - ALERTA DE SPOILER - ALERTA DE SPOILER - ALERTA DE SPOILER - ALERTA DE SPOILER - ALERTA DE SPOILER - ALERTA DE SPOILER - ALERTA DE SPOILER - ALERTA DE SPOILER 






Ela fica!. Mas só ela, a família dela toda morre, inclusive o irmão mais novo, que pra mim é a coisa mais triste e chocante no livro.

Bom, o livro começa assim, o primeiro ato, um acidente de carro que a deixa em coma. O resto do livro é o espírito dela lutando pra decidir se quer continuar vivendo sem a família mas com o amor de sua vida, ou entrega os pontos e segue até a luz no fim do túnel.

Leitura muito interessante e até virou filme, apesar de eu achar que tem outro filme muito parecido, que é aquele que passa na sessão da Tarde, o "E se fosse verdade?"....

No fim ela decide ficar por aqui, seguir a carreira de violoncelista (o filme deve ser ótimo na trilha sonora, amo musica clássica, e ela toca em quarteto de cordas) e ficar com o namorado que também toca numa banda, porém guitarra....

Não é um dos melhores que já li, maaas tem quem ame... e dá pra ler quando não se tem mais nada pra ler....

Boa leitura!

Amigo é comigo - Ana Maria Machado


Mais um marco na minha adolescência, esse foi indicado pela escola, e tivemos que comprar, então tenho aqui na minha prateleira até hoje...

Tatiana é uma típica adolescente e eu me identificava muuito com ela, exceto pelo fato de os pais dela deixarem ela sair, enquanto eu... bem, eu ficava em casa lendo livros de adolescentes e sonhando acordada!

Tati demora hooooras pra se arrumar pra sair, gosta de leitura, têm duas melhores amigas, se apaixona, questiona, vive a adolescencia e o frescor da juventude!!

A trama é sobre uma tripla amizade, mágoas e reviravoltas na escola, etc... Ela também se apaixona por um gatinho de sorriso transformador, mas no fim descobre que ele é mais um dos amigos babacas do irmão, o tal Frajola que vive ligando no telefone fixo e deixando a mãe dela doida!

Eu to procurando ele pra reler e matar a saudade, deve estar cheio de poeira em alguma caixa de tralhas aqui em casa, vou resgatar e colocar na minha estante pq tem valor sentimental enorme!


Beijos e até a próxima!

terça-feira, 28 de abril de 2015

Curiosidades sobre o blog

- Sempre colocarei a imagem do livro de acordo com a edição que eu li. Sabemos que existem muitas edições para cada livro, mas prefiro a imagem já minha conhecida. Mais aconchegante aos meus olhos.

- Pesquiso algo no google somente quando esqueço o nome de algum personagem, mas isso é muito difícil. Portanto aqui não existe plágio, as sinopses são todas feitas por mim, sai tudo da minha mente e lembranças.

- SPOILERS, tudo aqui têm spoilers, se não quer saber, não leia.

- Quer dicas de livros? Tenho marcadores com os temas que você procura! Basta clicar e escolher um.

Abraços leitores!

A náusea - Jean Paul Sartre


Esse livro chegou em minhas mãos em meados de 2009, retirado de uma biblioteca de livros doados, no poupatempo de guarulhos (meu segundo emprego).

Falava sobre existencialismo, e até então eu só havia lido um livro de filosofia na vida (O mundo de Sofia), portanto foi uma novidade deliciosa conhecer esse gênero, ao que imediatamente me apaixonei.

Antoine é o nome do personagem principal, que chega à cidade com o objetivo de escrever a biografia de um importante e excêntrico marquês que ali vivia. O problema é que ao começar, Antoine é acometido por uma espécie de aversão pela biografia e pela cidade, que no decorrer do livro se extende ao ser humano e aos objetos que o cercam. Uma passagem que ficou marcada nessa leitura é um momento que ele não consegue sair da casa pois está com nojo de encostar na maçaneta da porta. Ele descreve tão bem a tal náusea, que você acaba sentindo também.

"Algo me aconteceu, não posso continuar duvidando. Veio como uma doença, não como uma certeza ordinária nem como uma evidência. Instalou- se pouco a pouco, eu me senti estranho, algo incomodado, nada mais (…). E agora cresce. (“A náusea”, p. 17)"
Os melhores momentos de reflexão se dão quando Antoine se encontra com seu amigo autodidata na biblioteca, onde debates ferrenhos humanistas versus existencialistas se travam. Em um desses encontros, inclusive, Antoine esmaga uma mosca, e diz uma frase sartriana muito conhecida entre os filósofos: " Fiz um favor a ela, libertei-a de sua existencia". Forte não?

Por fim, ele reencontra sua ex mulher, Anne, por quem ele pensava ainda ter fortes sentimentos, mas fica surpreso em constatar que sente por ela a mesma náusea que qualquer objeto repugnante havia provocado nele nos ultimos dias, e resolve ir embora da cidade. Não sem antes sentar-se no banquinho de uma praça e nos fazer sentir como se estivessemos ao seu lado, sentindo o cheiro da lama que está encostada em uma pedra no chão. Nunca esqueço dessas partes do livro. Impressiona por causa das perfeitas descrições do personagem Antoine Roquentin quando está passando mal, são muito realistas

Sartre também fala sobre uma verdade: a vida é menos interessante que a ficção. "O dia a dia mata a aventura, além de tudo ser muito parecido, sem novidades. Quando a pessoa vive, não acontece nada. A decoração muda, o povo entra e sai, e isso é tudo. Nunca há começos. Os dias se sucedem aos dias sem tom nem som, numa soma interminável e monótona. Mas ao contar a vida é diferente, tudo muda; (p. 71) ."

Caso gostem de literatura filosófica, recomendo fortemente esse livro, que é base para reflexões mais profundas pra quem está entrando nesse mundo "pensador".